Empréstimos com garantia facilitam acesso a crédito para PMEs em tempos de crise

Com o início da crise causada pelo Covid-19, muitas empresas foram surpreendidas pelo fechamento de suas portas para seguir as medidas sanitárias estabelecidas pelo Governo. Nesse período, principalmente as PMEs, precisaram pedir empréstimo para pagar funcionários, fornecedores, aluguel e outras despesas, além de investimentos para se reinventar neste novo cenário.

Infelizmente, os juros de linhas de crédito são altos e podem chegar a taxa de 300% ao ano. Um dos motivos para as taxas serem tão altas no País é o risco de calote. Por isso, uma opção para fugir dos altos juros é a modalidade de crédito com garantias. A empresa pode oferecer um imóvel, recebíveis ou aplicações financeiras como garantia para o pagamento da dívida. Esse modelo diminui as taxas cobradas e facilita o acesso ao crédito.

“O empréstimo com garantia é uma alternativa para quem precisa pedir um empréstimo sem entrar em uma dívida que pode quadruplicar devido os juros elevados. Mas a empresa precisa analisar todos os fatores, como a taxa aplicada, prazo de pagamento, a motivação para o pedido de crédito e o principal, se as parcelas vão caber no bolso”, explica Gabriel Nascimento, CEO da Ulend, uma das fintechs que oferece esse tipo de serviço.

As modalidades de crédito com garantias

Uma das opções mais buscadas na plataforma é o empréstimo com garantia de imóvel. A empresa oferece como garantia um apartamento, casa ou terreno, comercial ou residencial. O diferencial para esse modelo, é que a fintech seleciona imóveis que valham entre 50% e 70% a mais que o valor da dívida, uma alternativa segura para o investidor e que leva em consideração potenciais lucros futuros que poderão permitir a quitação das parcelas.

Em outra opção, a empresa pode oferecer como garantia os títulos de crédito que tem para receber no futuro. Dessa maneira, o devedor da duplicata faz o pagamento diretamente na conta da empresa e esse valor é utilizado para pagar as parcelas mensais do empréstimo. Caso as parcelas tenham um valor menor que a duplicata, o valor excedente é liberado na conta corrente da empresa.

Outra modalidade atrativa é a garantia de recebíveis de vendas realizadas por cartão. A empresa que solicita o empréstimo cede os direitos sobre os créditos presentes e futuros, decorrentes de transações efetuadas por meio da utilização de cartões de crédito ou débito. Parte do valor é utilizado para o pagamento da parcela e o valor excedente retorna para a empresa que contratou o empréstimo.

Caso a empresa já possua uma aplicação financeira em alguma instituição financeira, seja por meio de pessoa jurídica ou física, pode usar essa aplicação como garantia de uma nova com maior rendimento. Essa modalidade é interessante para clientes que já possuem valores aplicados, mas não podem resgatá-los.

“Mais de 80% das operações de crédito disponibilizadas pela Ulend no período de crise possuem garantias reais, o que minimiza ou elimina perdas em casos de inadimplência”, conta Gabriel.

A Ulend atua com o modelo de peer to peer lending, que conecta uma empresa que precisa de capital a um investidor que pode emprestar, diversificando seus investimentos. Além de vantajoso para a empresa que pede empréstimo, também é uma vantagem para o investidor, que por conta da garantia, fica mais confortável em fazer o investimento.

Deixe uma resposta