Ceará realiza Festa de Iemanjá Virtual; evento celebra cultura afro-brasileira

A Secretaria da Cultura do Ceará, o Comitê das Expressões Culturais Afro-brasileiras e apoiadores vão promover a Festa de Iemanjá. O evento, com referência às celebrações realizadas na Praia do Futuro e no Aterro da Praia de Iracema, em Fortaleza, terá programação diferente em 2020. Em vez de pisar na areia e de celebrar o mar bem de pertinho, o evento terá edição virtual, com uma emocionante e bela programação para assistir de casa com o coração em festa e fé. Com o tema “É mar, é maresia: memórias históricas da Festa de Iemanjá”, a festividade acontece nos dias 13, 15 e 17 de agosto no Youtube da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), acompanhe: https://www.youtube.com/SecultCear%C3%A1Gov.

A programação da festa convida a à reflexão sobre a construção da memória das festividades e seu significado histórico; a valorização e a promoção da cultura afro-brasileira, enuncia a força da presença da religiosidade Afro-brasileira tradicional no nosso Ceará. Dedicado a celebrar a Rainha do Mar, o evento contará com apresentações culturais, louvação à Iemanjá, rodas de diálogo, afro-empreendedorismo, vídeos memorialísticos, exposição de fotografias, etc.

Destaque na programação para apresentações culturais de Afoxés, Capoeira e Maracatu, um pocket show do cantor e compositor Calé Alencar, rodas de diálogo e exposições virtuais de fotógrafos e fotógrafas que registraram a festa.

A atividade acolhe o desejo dos participantes do Comitê Gestor Expressões Culturais Afro-brasileiras de fazerem da programação virtual uma ação de promoção e difusão, que são partes do plano de Salvaguarda do bem. E atua em consonância com a política do Patrimônio Cultural e Memória do Estado que visa ao fortalecimento da salvaguarda da diversidade étnica, artística e cultural, das referências culturais de natureza material, imaterial e da memória cearense. A Festa de Iemanjá encontra-se em processo de registro como patrimônio cultural cearense pela Secult Ceará.

Em 2017, a celebração foi reconhecida como patrimônio cultural imaterial da cidade de Fortaleza em um momento histórico para a tradição religiosa cearense. Esse reconhecimento se apresenta como uma importante vitória da resistência e da luta contra o racismo religioso que acomete as religiões de matriz africana e afro-brasileiras.

Festa como patrimônio

Como forma de reconhecimento à Festa, o Conselho Estadual de Preservação de Patrimônio Histórico Cultural (Coepa) aprovou em reunião extraordinária realizada na Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), o parecer de abertura do Processo de Registro da Festa de Iemanjá como Patrimônio Imaterial do Ceará.

O registro como patrimônio imaterial é de suma importância, visto que trata das referências culturais que estão muito presentes na história de um grupo e que foram transmitidas entre várias gerações. O registro de patrimônio imaterial reconhece o valor das diferentes manifestações populares representativas da nossa diversidade cultural, incluindo os vários grupos sociais, suas formas de expressão, suas celebrações e seus modos de vida.

Deixe uma resposta