Como planejar a contabilidade para 2021?

Artigo de Regina Fernandes, perita contábil, trainer em gestão, mentora e responsável técnica da Capital Social, escritório de contabilidade com 10 anos de atuação:

Os próximos meses serão decisivos para as empresas brasileiras. É hora de tomar coragem, encarar os números de 2020 e fazer os ajustes necessários para dar a volta por cima no próximo ano. Faltando pouco mais de três meses para o fim do ano, é hora de começar a planejar. Mas, a dúvida de vários empresários é por onde começar? Neste artigo, vamos falar sobre como planejar a contabilidade para 2021. 

O ano de 2020 definitivamente não tem sido fácil para milhões de pessoas. A pandemia do coronavírus afetou a rotina e impactou gravemente a vida financeira das empresas. Se por um lado tivemos mercados sendo aquecidos, por vários outros encontramos a retração. Então, para o novo normal, é necessária a reinvenção dos negócios e um grande estudo de viabilidade – e esse estudo deve estar calçado nos números para que as decisões que afetam o caixa da empresa sejam tomadas de forma mais assertiva.  E é exatamente aí que entra a contabilidade.

Ao contrário do que muitos pensam, que a função do contador é cumprir as obrigações com o fisco, realizar as questões burocráticas e calcular impostos, o contador tem dados extremamente relevantes sobre gestão de empresas. O serviço contábil gera informação, que, com avaliação e análise, é possível demonstrar a aplicação de natureza econômica, financeira, física e em alguns casos até produtiva de uma empresa. Assim, ao pensar no futuro dos negócios, ter o apoio de um contador consultor faz todo sentido.

O primeiro passo para iniciar o planejamento da contabilidade do próximo ano é fazer um balanço comparativo com 2019. Sabemos que este ano ainda não terminou, mas trace uma projeção realista para os próximos meses. Reúna as equipes das principais áreas ligadas à gestão, a começar pela contabilidade, e compile relatórios que permitam à liderança ter uma visão completa sobre o histórico da empresa. 

Costumo dizer que o contador é o profissional mais próximo do empresário no que diz respeito à gestão. É ele quem conhece a legislação no modo prático, os processos necessários e os meios para tornar os desejos da liderança em realidade. Por isso, essa relação precisa ser de muita troca e confiança. É preciso desmistificar a ideia equivocada de que o contador não tem muito agregar ou que seu papel seja meramente burocrático ou gerador de impostos. Pelo contrário: é ele quem saberá organizar as estruturas internas e externas para manter a saúde do negócio sempre em dia — muitas vezes, encontrando maneiras até de economizar. 

Por exemplo: imagine que sua empresa está classificada no Lucro Real. Porém, a pandemia teve efeitos devastadores no seu negócio e não houve outra alternativa a não ser demitir boa parte dos funcionários. Os meses foram passando e, hoje, você vê que, realmente, não há necessidade de reestruturar a equipe. Com tecnologia e reforço da cultura organizacional, foi possível rever as operações e com isso reduzir custos e aumentar a lucratividade. Portanto, pode ser que manter-se no Lucro Real no próximo ano não seja tão interessante, faz sentido rever o regime tributário, fazer cálculos e até a partir dos números definir metas de vendas. 

Se uma empresa do Lucro Presumido, por outro lado, contratou muito durante a pandemia e pretende manter o quadro de funcionários para o próximo ano, é mais interessante enquadrá-la no Simples Nacional, que terá um menor impacto na folha de pagamento, ou ainda se a sua atividade permite a desoneração da folha de pagamentos, tudo isso são decisões que impactam diretamente o caixa da empresa e o contador consultor tem condição de auxiliar quando conhece a estratégia e planos da empresa.

Toda essa análise requer inteligência, seja de uma consultoria ou um contador consultivo. É um trabalho que vai além de analisar números e emitir guias de pagamento: trata-se de entender, junto ao empresário, qual a estratégia do negócio dele para 2021 e como é possível otimizar os gastos e investimentos. Qual o plano de crescimento e as metas de expansão ou retração do negócio? Qual a melhor região para estar? Qual tipo de cliente ele deseja buscar? Olhar para todas essas questões ajuda a definir o modelo de gestão contábil. 

Por fim, é fundamental que o contador da empresa seja um profissional atualizado e multidisciplinar. Há vários fatores que podem influenciar uma empresa – a exemplo da recente alteração das regras de recolhimento do ISS (Imposto Sobre Serviços). Estar atendo às mudanças de cenário garantirá a segurança que o negócio precisa para crescer em 2021. O planejamento precisa ser financeiro, operacional e estratégico. Com uma relação de confiança entre gestão e contabilidade, as empresas certamente terão muitos motivos para sorrir no futuro! 

Deixe uma resposta