Grupo educacional brasileiro entra na comunidade de inovadores do Fórum Econômico Mundial

Da esquerda para a direita: Renato Dias, Fernando Shayer, Leticia Lyle e Bruno Gebara – sócios da Camino Education

Propor uma educação inovadora no Brasil exige conhecimento do setor e das tendências que estão acompanhando a evolução educacional mundo afora. O século XXI vem mostrando as principais demandas que serão cobradas dos novos profissionais ao participar do mercado de trabalho.  A formação para atender essas exigências começa na escola. Por isso, a Camino Education, empresa brasileira de educação básica que  apoia  escolas públicas e privadas do Brasil inteiro por meio da plataforma digital de aprendizagem ativa Cloe, e da Camino School, escola de referência localizada em São Paulo, passou a fazer parte da comunidade de inovadores globais (Global Innovators Community) do Fórum Econômico Mundial. A Camino é a primeira empresa da América Latina convidada para compor o grupo.

A Global Innovators Community é um grupo que une as mais promissoras start-ups e scale-ups do mundo que estão na vanguarda da inovação tecnológica e de modelos de negócio. O Fórum Econômico Mundial fornece para a comunidade uma plataforma para engajar líderes de setores público e privado e oferecer novas soluções que visem superar as atuais crises e construir um futuro com mais resiliência. As companhias que são convidadas para participarem da comunidade global irão se inteirar com uma ou mais plataformas do Fórum para ajudar a definir a agenda Global dentro das questões-chave.

Fernando Shayer, CEO da Camino Education, explica que a Camino fará parte de um grupo dentro da comunidade global focado na preparação para o mercado de trabalho, moldando o futuro da nova economia e da sociedade. “Vamos participar de uma comunidade que discute como serão os empregos do futuro em bases globais, bem como as competências necessárias para o êxito dos jovens num mercado que se transforma tão rapidamente.      Para apoiarmos as escolas brasileiras a dar um passo na direção do futuro da aprendizagem, precisamos pensar nas competências em que elas precisam focar atualmente, assim como no tipo de pedagogia que garante o seu desenvolvimento.  Se os estudantes continuarem a aprender passivamente, como máquinas, não terão diferenciação no futuro”, diz.

O principal objetivo ao fazer parte do Global Innovators é melhorar o mundo em diferentes frentes, abrindo oportunidades por meio de redes colaborativas, exposição de liderança global e percepções sobre questões estratégicas. “Em um cenário que apresenta desafios significativos para o avanço da educação, poder trabalhar com órgãos internacionais e fortalecer nossa metodologia no Brasil, tanto pela Camino School, na cidade de São Paulo, como pela plataforma Cloe, em escolas espalhadas pelo país, contribuindo para a formação de cidadãos e profissionais cada vez mais preparados para as novas demandas, é fundamental e enriquecedor para todo o setor educacional”, afirma Shayer.

Deixe uma resposta