Rede de comida por delivery cresce 60% na pandemia e segmento de alimentação lucra com o avanço

Com a pandemia provocada pelo novo coronavírus, o serviço de delivery apresentou um crescimento de 60% no último ano, de acordo com o Instituto FoodService Brasil (IFB). Esse aumento no número de pedidos ocorreu devido à praticidade do serviço, especialmente em tempos de isolamento social.

O segmento de alimentação foi um dos que mais lucraram com esse momento e, com diversos restaurantes competindo para comercializar mais refeições, os estabelecimentos que mais tiveram sucesso foram aqueles que souberam entregar as refeições em embalagens práticas e que conservam todo o sabor.

Pensadas em seus mínimos detalhes, as embalagens extrapolam a funcionalidade dando um novo peso e beleza para a refeição. A identidade visual do restaurante, precisa ser replicada na embalagem para que o cliente consiga estabelecer uma conexão com a marca.

Esse é o caso das embalagens da Brasileirinho Delivery, rede de comida típica brasileira servida na caixinha. Desde o seu lançamento em 2014, a rede comercializa suas refeições no modelo in box, que são caixinhas feitas sob medida para acomodar a comida justinha na embalagem, que por sua vez, evita que os alimentos vão dançando de um lado para o outro até a casa do cliente.

“Desde o início, os nossos boxes foram um dos diferenciais da marca, devido ao fato de que o modelo de comida na caixinha ainda era novo no Brasil e vimos a oportunidade de nos destacar de outros restaurantes delivery, com uma embalagem bonita e prática, além da comida saborosa e brasileira”, comenta o empresário Jhonathan Ferreira, fundador do Brasileirinho Delivery.

A rede possui dois modelos de embalagens, para as refeições fitness, são utilizadas as caixinhas na cor verde, já as outras refeições possuem as embalagens nas cores vermelha e amarela.

“Atualmente é difícil pensar na marca Brasileirinho Delivery, sem se lembrar das nossas caixinhas, que possuem um modelo diferente, funcional e que facilita a alimentação em uma rotina apertada, levando a comida quentinha e saborosa para o consumo do cliente onde quer que ele esteja”, finaliza.

Outra rede que tem apostado em sua embalagem com o intuito de espalhar o nome da marca para todos é o N1 Chicken, rede especializada na comercialização de frango frito.

Fundada em 2017, a rede possuía um layout mais simples e que apenas explorava as cores e o logo da rede, sem o uso de mais elementos. Em maio de 2018, ocorreu o primeiro redesign do layout no qual a proposta era estampar as embalagens com o que os clientes colocavam na avaliação do iFood. Iniciava ali a ideia de sempre trazer a comunicação visual da marca, elementos verdadeiros e que representassem o N1Chicken. Com um modelo de embalagem prático e interessante, trazido do Japão por um dos sócios, a rede lançou a embalagem 3.0.

“A comunicação visual da marca explora essencialmente o logo principal e as cores vermelho e amarelo, esses elementos precisam estar presentes, especialmente nas embalagens, tendo em vista que elas são o “veículo” que contém o produto principal da marca e ao receber o pedido o cliente experimenta o momento em que a marca se faz mais tangíveis para o consumidor final, o que reforça a unidade. Enfim, uma boa embalagem traz coerência e consistência que para a marca é imprescindível”, comenta Luiz Henrique Castro, Gerente de expansão do N1 Chicken.

Deixe uma resposta