A Coluna do Roberto Maciel (sábado, 30.01): Nuremberg, Pazuello e uma carnificina que o general e o capitão chamam de “logística”

As lições dos julgamentos de nazistas

Afinal, (aparentemente) não somos tão maus - Jornal O Globo


Antes de irmos ao comentário propriamente dito, convido o leitor e a leitora a uma observação histórica: nos anos pós-1945, quando houve uma sucessão de julgamentos de militares nazistas por crimes de guerra e por crimes contra a humanidade, resultando em muitas execuções e suicídios de réus, que assim escaparam de sentenças reveladoras, estabeleceu-se um padrão para a defesa dos acusados. Diziam, tanto os julgados quanto advogados e simpatizantes, que não se tratavam ali de criminosos, mas de soldados que cumpriam ordens. A culpa era, então, dos superiores. Afinal, uns mandavam e os outros obedeciam. Não colou.

“É simples assim: um manda, o outro obedece”
Isso posto, propomos que se reveja aqui uma cena do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, protagonizada ao lado do chefe, o presidente da República Jair Bolsonaro – embora Pazuello seja general e Bolsonaro tenha sido só capitão, a diferença de patentes não importa, mas o fato de que quem manda é o presidente. É uma relação doce, convenhamos, como leite condensado.

Cabeça a prêmio
Pazuello está agora com a cabeça a prêmio. Ou com a corda no pescoço. Ou com a guilhotina na nuca. Pesam sobre ele as mais graves acusações de negligência, incompetência, omissão e ação delituosa que resultam de milhares de mortes pela covid-19. Tendo assumido interinamente a pasta em 16 de março de 2020, sendo alçado à condição de titular em 16 de setembro, o general – que se dedicava na caserna a cuidar de assuntos logísticos, sem nunca ter passado perto de uma enfermaria – tem sua permanência no Ministério ameaçada por um inquérito no Supremo Tribunal Federal. E vê, dia a dia, engordar substancialmente a mórbida logística que leva para a História. A pilastra mais grossa é a crise do oxigênio no Amazonas, onde pessoas morreram asfixiadas por não ter cilindros que lhes suprissem demandas vitais de respiração.

Até as emas sabem
O general Eduardo Pazuello é um soldado profissional. Nessa posição, é plausível argumentar que o que disse entre risos marotos, acompanhado por um alegríssimo Jair Bolsonaro, seja fato e não chiste: “um manda, o outro obedece”. A questão é estimar até quando vai suportar a pressão judicial, política, moral e ética que se exerce sobre ele. E se, esgotada a resistência, vai indicar que é real o que até as emas do Palácio da Alvorada sabem: Bolsonaro mandou, ele obedeceu. Simples assim.

Acredite se quiser
Foi posto para tramitar na Câmara dos Deputados projeto de lei que reduz a zero as alíquotas de ICMS, IPI e PIS e Cofins incidentes sobre itens alimentares da cesta básica nacional. Fala do desconhecido parlamentar Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), que assina a matéria: “O objetivo é garantir à população uma carga tributária menor na compra de produtos que compõem a cesta básica nacional”.

A fonte
Empresário, integrante do partido comandando pelo conhecidíssimo “Paulinho da Força”, Áureo Ribeiro não esconde a fonte principal da proposta que apresentou: a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos. Ele mesmo revela que é da entidade a informação de que “a carga tributária que incide nesse segmento da economia, incluindo os itens da cesta básica, é de cerca de 23%, quando a média internacional é de 7%”.

Para anotar
Trechinho de nota do jornalista Guilherme Amado na revista Época, em 19 de agosto de 2020: “Áureo é falastrão: em 2014, bem antes de existir a Lava Jato, disse em uma entrevista ao jornal Extra que a Odebrecht estava comprando o apoio do Solidariedade à reeleição de Luiz Fernando Pezão”.

Corrente
Mal chegou na Câmara de Fortaleza, o vereador Erivaldo Xavier já cresceu os olho para as estações de bicicletas compartilhadas. E, numa pedalada só, está propondo que a Prefeitura instale unidades em cinco comunidades, “ambas (sic) localizadas no Bairro Sabiaguaba”.

Bafo de confusão

Boca Aberta é recebido por Bolsonaro em Brasília


O deputado federal Emerson Petriv (PROS-PR), vulgo “Boca Aberta” (foto acima, à esquerda, também com a boca aberta), preso na semana passada no Paraná para cumprir pena de 17 dias de detenção por crime de perturbação de sossego, é uma figura da qual outros parlamentares não querem proximidade nenhuma. Foi ele quem, em 2019, entregou um troféu ao então ministro Sérgio Moro – que recebeu o presente, por “lutar contra a corrupção”, com um orgulhoso sorriso de ponta a ponta do rosto.

Iguais
Quando homenageou Moro, “Boca Aberta” era campeão de processos criminais na Câmara dos Deputados – tinha 20 só por crimes eleitorais, além de injúria, calúnia e difamação. A pena que cumpre agora é em regime semiaberto, podendo sair do xilindró mas tendo de retornar para dormir em uma sala separada dos demais presos.

Boca quente
“Boca Aberta” foi condenado por entrar numa Unidade de Pronto Atendimento de Londrina e ingressar à força em áreas restritas a médicos e enfermeiros, para filmar o que dizia serem “irregularidades”. Na época, era vereador. De certa forma, se antecipou a uma orientação que só em 2020 Jair Bolsonaro daria aos fanáticos que o seguem: invadir hospitais para gravar e denunciar fraudes no atendimento a pacientes da covid-19.

Fitness
O Tribunal de Contas do Ceará conseguiu, de janeiro a dezembro de 2020, reduzir significativamente o volume de processos físicos em seus bancos de dados. No começo do ano passado, havia lá 18 mil documentos em papel. Pois o órgão fez um corte de 11.751 documentos, “emagrecendo” 65,9% da montanha. A digitalização alcançou 11.751 processos, deixando no setor 6.065.

Lives
Às terças e quintas, eu e a jornalista Eveline Frota fazemos lives no Instagram com a marca “Coluna da Hora”, a partir das 18h. Os encontros duram uma hora e o internauta pode acessar e participar pelos perfis @evefrota ou @robertoamaciel. Também mantemos no YouTube o canal Coluna da Hora. Lá, há entrevistas com personalidades pra lá de interessantes. A mais recente traz o músico cearense Cainã Cavalcante (foto abaixo), um espetacular artista do violão, e vai ao ar neste sábado.

Facebook

Dê sua opinião
Você também pode fazer contato com o Portal InvestNE. Nosso e-mail é portalinvestne@gmail.com e o número de WhatsApp é +55 85 99855 9789. E pode, ainda, dar uma força compartilhando os nossos conteúdos.

Deixe uma resposta