“Uma Jornada com Propósito”: como a paixão pelo jornalismo infantil resultou no maior veículo para crianças do Brasil

A leitura sempre se fez presente na vida de Stéphanie Habrich, desde a infância. Mas, diferentemente de outras crianças da sua idade, a pequena cidadã recém-chegada ao Brasil, de ascendência franco-alemã, não se interessava tanto por livros ou quadrinhos. Seu maior foco estava nos jornais e revistas, muito comuns na Europa. Veículos de imprensa especialmente pensados e produzidos para crianças, com linguagem acessível, que traduziam ao público infantojuvenil as notícias com que os adultos já tinham intimidade.

Apesar de seu profundo interesse e paixão por essas publicações, Stéphanie passou por um longo caminho antes de alcançar seu sonho de proporcionar às crianças brasileiras o mesmo jornalismo de qualidade que ela teve acesso há algumas décadas. Essa trajetória é contada no livro “Uma Jornada com Propósito”, lançado no fim de 2020, pela Editora Magia de Ler.

O livro é uma viagem no tempo em que é possível entender a paixão de Stéphanie pelos jornais e revistas europeus que marcaram sua infância. Ela conta como, mesmo morando no Brasil, seus pais ainda mantinham o hábito de assinar os veículos que traziam as notícias da França, Alemanha e do mundo e divide com o leitor a experiência de colocar em prática sua ideia de ter, aqui no Brasil, um veículo que permitisse aos jovens brasileiros ter garantido o direito à informação, previsto, inclusive, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Stéphanie divide com o leitor sua jornada, conta como o mercado financeiro e a vida em Nova York não eram mais tão atraentes e como o atentado de 11 de setembro de 2001 mudou para sempre os rumos de sua carreira. “Ter sobrevivido à queda das Torres Gêmeas foi um grande e importante passo de conscientização das minhas crenças”, relembra. 

Os desafios da época do atentado foram determinantes para que a fundadora do Joca pudesse seguir outros caminhos em sua carreira. E, quando encontrou seu propósito, inspirada pelas experiências que teve com os periódicos europeus, Stéphanie criou o Joca, em novembro de 2011. De lá para cá, nesses dez anos, a publicação se tornou não só o único jornal brasileiro em seu modelo feito para o público infantojuvenil, como também uma referência para professores e pais, que utilizam o veículo como material informativo na escola e em casa.

“As crianças precisam entender o mundo em que vivem e, assim, mudar a realidade e o futuro. O Joca traz a esse público a informação de qualidade, com uma linguagem simples e contextualizada, ajudando a essas crianças e jovens a desenvolver suas próprias opiniões e senso crítico. A missão do Joca é trabalhar para transformar uma geração”, diz Stéphanie.

O que você vai encontrar em “Uma Jornada com Propósito”: 

• O capítulo 4 conta como o contato com notícias desde a infância ajuda crianças e jovens na formação de seu pensamento crítico;

• O relato de como os leitores do Joca passam a se interessar mais por temas como ciência e tecnologia, enquanto não leitores do jornal são mais atraídos por assuntos que envolvem celebridades e criminalidade;

• Pesquisas que relatam que 75% dos leitores do Joca disseram se informar a partir de jornais e revistas; apenas 15% dos não leitores citaram esses veículos;

• “Uma Jornada com Propósito” ainda traça os pilares do jornal, desde o papel da linguagem não infantilizada até a prática da contextualização e da explicação de termos;

• Acesso à informação e combate às fake news feitos por meio do jornalismo infantojunveil como potencializadores da diminuição de desigualdades, principalmente no sexto capítulo; 

• Cases de sucesso do Joca em diversas escolas, como na Escola Estadual Henrique Dumont Villares, no bairro do Jaguaré, cidade de São Paulo, que, por meio de doação, começou a usar o Joca em sala de aula em 2015, para mais de 800 alunos. Após o início do trabalho com o jornal, a escola, que tinha meta no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em 2015 de 5,7, atingiu pontuação de 7,7, marca semelhante do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp) no mesmo ano. 

Sobre Stéphanie Habrich

Stéphanie Habrich nasceu na Alemanha, filha de mãe francesa e pai alemão. Veio para o Brasil com quase seis anos de idade e, aqui, se formou em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas. Concluiu seu mestrado em International Affairs pela Columbia University. Em Nova York, fez parte de sua carreira no mercado financeiro e no Brasil, em bancos como Deutsche Bank e BNP Paribas. Há quase dez anos comanda o jornal Joca e leva notícias da atualidade para crianças e jovens brasileiros. 

Deixe uma resposta