Mercado automotivo inspira amadurecimento de compra e venda de bicicletas usadas no Brasil

Com valores que se aproximam aos dos carros, bicicletas de alta qualidade se tornam cada vez mais comuns no Brasil e as vendas tanto de novas, quanto de usadas, tiveram um boom nessa quarentena. Para garantir a procedência do produto, o setor se movimenta e se inspira no mercado automotivo para melhores práticas.

Nesse cenário, a startup paulista Semexe, um marketplace de produtos esportivos, inova ao desenvolver um modelo único e completo que garante a segurança do vendedor e do comprador.  

“Diferentemente do mercado de carros, em que há informações como o chassi, o Renavam e o Certificado de Registro do Veículo (CRV), no ciclismo isso ainda não acontece. E uma das grandes preocupações dos ciclistas ao comprar uma bike usada é não fomentar o roubo de bicicletas. Assim, nosso principal foco quando criamos a Semexe foi tornar completamente seguro esse processo e garantir a procedência dos produtos anunciados. Temos em nosso portfólio, atualmente, bikes usadas de alta-performance, que chegam a custar R$ 90 mil ou mais, por exemplo. Para uma compra desse valor, não pode haver erro”, destaca Gabriel Novais, sócio-fundador da Semexe. 

Para oferecer segurança aos seus clientes, a empresa desenvolveu, ao lado de parceiros respeitados no mercado como a Mosaico Marcações e o Bike123, um sistema rápido, eficaz e que garante a procedência e a qualidade dos produtos. Por meio dele, é possível obter uma bicicleta com certificado de propriedade, etiqueta de identificação e um laudo técnico do produto. 

“Logo após a confirmação da compra de uma bicicleta por um cliente no site da Semexe, iniciamos seu processo de certificação. Dessa forma, garantimos que ela só é enviada ao comprador após sua aprovação de procedência. Nesse processo, conseguimos obter a comprovação de sua origem, a garantia de seus componentes e informações sobre todo seu histórico. Com tudo isso checado, o comprador recebe um certificado em seu nome, com os dados e informações referentes à bike criptografados e em um formato anti adulteração e aceito internacionalmente”, explica Marco Sanches, fundador da Mosaico Marcações. 

Outro processo de extrema importância é o laudo técnico. Assim como no mercado de carros, em que já existe o serviço de vistoria para compra e venda de usados, a Semexe, em parceria com o Bike123, oferece aos seus clientes o serviço de vistoria para bicicletas usadas.

“Esse serviço dá muito mais segurança em uma transação pela internet e possibilita que o interessado conheça o real nível de desgaste da bicicleta que está comprando. Por meio do nosso sistema, um técnico vai ao encontro do vendedor, faz uma análise minuciosa de todos os detalhes de sua bike e gera um documento contendo itens que vão, por exemplo, da corrente a manoplas. São detalhes que dificilmente um leigo conseguiria analisar e que podem influenciar diretamente na qualidade e no valor do produto que se está sendo negociado”, diz Rafael Tales, sócio da Bike123. Para saber mais desse processo, conheça as documentações que tornam segura a compra de uma bike usada: 

1) Certificação de propriedade: é um arquivo digital de registro de bicicletas. Nele são inseridos todos os dados do proprietário e as características de fábrica discriminadas da bike. Os processos de validação de origem lícita das bicicletas são realizados junto aos órgãos estaduais e outras plataformas. Bem como são feitas as verificações de procedência da Nota Fiscal Eletrônica, do (NF-e) e do Cupom Fiscal Eletrônico (CF-e) junto à Receita Federal para analisar se todos os dados estão corretos.  Para as bicicletas compradas fora do Brasil, é analisado se o Invoice (nota fiscal americana) foi declarado na chegada no Brasil, além de outros documentos, como DARF, Guia de importação e E-DBV(declaração de bens de viagens). Com isso, é criado o princípio de rastreabilidade plena do proprietário, do objeto e sua origem. O registro também é impresso em papel de segurança. O arquivo é definitivo da bicicleta, mas pode ser transferido de proprietário quando a bike é vendida.  

2) Etiquetas de Identificação: são produzidas a partir da emissão do certificado de propriedade e permitem a rastreabilidade plena da bicicleta. Nelas, há a identificação e marcação de todas as peças da bike com um pequeno QR code void adesivo, onde estão os números de série da bike e número do registro digital na Mosaico Marcações.  

3) Laudo técnico: o processo consiste na requisição de um laudo mecânico da bike, agendado e feito a domicílio. Nesse processo, um técnico realiza uma visita ao vendedor da bicicleta e verifica o estado de conservação dela e suas peças como, por exemplo: quadro, caixa de direção, rodas, pneus, freios e outros. O mecânico faz uma avaliação criteriosa dos principais componentes da bike, avalia em escala de 1 a 5 os componentes e gera um laudo digital, que é enviado para o comprador em até 24h.

Deixe uma resposta