Modelo Ka desvaloriza 5% um mês após anúncio da interrupção da produção da Ford no Brasil

Os modelos usados e seminovos do Ford Ka registraram uma desvalorização de 5% no preço médio de venda em fevereiro, um mês após o anúncio da paralisação da produção de automóveis da marca no Brasil. Os dados fazem parte do estudo de Performance de Veículos Usados (PVU), produzido pela MegaDealer, consultoria com expertise em Pesquisa e Data&Analytics, através de dados coletados pela Auto Avaliar, empresa de tecnologia em gestão de estoque.

O estudo comparou o preço médio de venda de seis veículos do segmento entre outubro de 2020 e fevereiro de 2021, e o Ka teve o pior desempenho. Enquanto o Renault Kwid, Fiat Mobi, VW UP, Hyundai HB20 e Chevrolet Onix apresentaram valorizações de 7,6% a 11,4% no período, o modelo popular da Ford apontou queda de 2%, com um preço médio de venda de R$ 44.244 em fevereiro.

“Este é um reflexo natural do mercado”, afirma Fabio Braga, country manager da MegaDealer no Brasil. “A notícia do encerramento das linhas de produção impactou rapidamente nos preços de todos os veículos da Ford, com fortes quedas de preços.

Modelos Populares seguem entre os mais rentáveis, ao lado de SUV’s

Os modelos populares, como de costume, encabeçam a lista dos mais rentáveis no mês de fevereiro, com destaque para o Kwid, que retomou a primeira colocação. A novidade do mês foi a presença de três veículos SUV na lista, principalmente por causa da alta velocidade com que giram na concessionária. Além do EcoSport, aparecem ainda o Renault Captur e o Hyundai Creta.

“Apesar de veículos com um custo médio mais alto, superior a R$ 70 mil, todos eles apresentaram um desempenho muito bom”, afirma Braga. “O EcoSport, por exemplo, levou apenas 21 dias para ser vendido, o que mostra uma procura muito forte no mercado”.

Mercado volta a apresentar queda em captação e avaliações

A edição de março do PVU revelou que a captação segue como um dos principais desafios do mercado, que já enfrenta dificuldades para atender a procura por veículos usados e seminovos. Em fevereiro, o volume de captações através da plataforma Auto Avaliar foi de apenas 21.265, contra 25.323 registradas em janeiro. Já as avaliações caíram de 147.917 para 125.299.

“O aumento de impostos em São Paulo e o fechamento de parte das lojas no Brasil todo como consequência do aumento de casos da Covid-19, está levando a novos desequilíbrios de mercado. Por outro lado, a rentabilidade continua alta. Então, aqueles que conseguirem estratégias específicas para a captação, seguirão com boas oportunidades”, comenta J. R. Caporal, CEO da Auto Avaliar.

Deixe uma resposta