Governo Federal sanciona programa para socorrer setor de Eventos

O Governo Federal acaba de sancionar o Perse – Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos, criado para socorrer o mercado de Eventos no país. O presidente da Ampro – Associação de Marketing Promocional / Live Marketing, Alexis Pagliarini, está à disposição para entrevistas a respeito de como o Programa poderá ajudar o setor do Live Marketing, do qual fazem parte os Eventos, um dos mais afetados pela pandemia no país.

Seguem os principais pontos de aprovação do Programa:

– Destinação de 20% do total do Pronampe – Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte para o setor de Eventos e Turismo. Ou seja: quando o Pronampe for aprovado, dos 5 bilhões previsto para empréstimos para pequenas e médias empresas, 1 bilhão estará reservado para o setor de Eventos e Turismo;

– Desconto de 70% e mais parcelamento em até 136 meses (prazo a ser confirmado) de dívidas tributárias.

O que foi vetado: Alíquota zero do PIS/ Pasep/ Cofins/ CSLL por 5 anos. Governo vetou, mas ficou de ver possibilidades de algo especial para as empresas mais prejudicadas. Outro ponto que ficou em dúvida é a indenização para empresas que tiveram queda superior a 50% no faturamento entre 2019 e 2020. Este ponto não foi comentado, o que pode ser um sinal de que foi vetado.

Outra reivindicação do Perse era a retomada da Lei 14.020, que prevê a possibilidade de redução de salários, mediante redução de horas de trabalho de 25%, 50% ou 75%. Essa medida já havia sido tomada anteriormente, permitindo a redução por 4 meses ou suspensão de contrato de trabalho pelo mesmo período.

A Ampro está entre as entidades que se mobilizaram para a criação e aprovação do projeto.

Alguns dados:

  • O Live Marketing é um dos setores que mais movimenta a economia brasileira. Somente a indústria de Eventos impacta mais de 50 setores da economia e movimenta mais de R$ 930 bilhões por ano no país, o que representa quase 13% do PIB – índice maior que o das indústrias automobilística, farmacêutica e a petrolífera -, com a geração de 25 milhões de empregos diretos e indiretos. O Brasil organiza e recebe cerca de 590 mil eventos anuais.
  • Em termos de faturamento, os números do setor do Live Marketing, que inclui os Eventos, as Promoções e Ativações, o Marketing de Incentivo, o Trade Marketing, aproximam-se de R$ 50 bilhões anuais (dados do final de 2019), com crescimento de mais de 130% nos seis anos anteriores.
  • Com a necessidade do isolamento social, o mercado estima cerca de R$ 50 bilhões de prejuízo por mês – em um ano parado, o prejuízo pode chegar a R$ 600 bilhões;
  • Mais de 90% das agências especializadas em Live Marketing foram diretamente afetadas com a crise da covid, com queda de faturamento de até 75% até o final de 2020 – segundo últimos levantamentos da Ampro.

Deixe uma resposta