“Corra até a borda” para garantir uma continuidade de negócios eficaz

A adaptação ao novo normal é necessária para a continuidade dos negócios. As empresas comerciais estão mudando a maneira como operam e conduzem suas operações para atender às crescentes demandas dos clientes e aos comportamentos de compra. As mais afortunadas estão acelerando seus esforços para expandir suas capacidades e conseguir atender ao aumento da demanda. Por outro lado, as empresas industriais enfrentam seu próprio conjunto de desafios – desde o gerenciamento remoto de operações até disrupções na cadeia de suprimentos. Os verdadeiros vencedores são as empresas que já embarcaram em sua jornada de digitalização. Os players industriais que adotaram tecnologias da Indústria 4.0, como automação e manutenção preditiva, podem se concentrar em melhorar a produtividade e o crescimento. Da mesma forma, as companhias comerciais podem focar em permanecer relevantes durante a pandemia.

Não importa onde a empresa esteja atualmente na curva de adoção, é imperativo que ela olhe para frente e se concentre em garantir a resiliência e a continuidade dos negócios. É hora de começar a se preparar para o futuro e, mais importante, fazê-lo de forma eficaz. Em sua jornada de digitalização, as companhias, sejam de natureza industrial ou comercial, enfrentarão vários obstáculos que podem ser mitigados por meio da integração efetiva de tecnologia operacional (OT) e TI.

Obstáculo 1: Gerenciar a explosão de dados

De acordo com uma pesquisa da KPMG, as empresas gastarão US$ 232 bilhões em tecnologias em 2025, em comparação com os US$ 12,4 bilhões gastos em 2018. As companhias que estão investindo em tecnologias de inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina e automação de processos robóticos (RPA) terão um crescimento enorme nos próximos anos, com cerca de metade das empresas usando as tecnologias em escala até 2025. Com o crescimento e a maior adoção de tecnologia, vem uma explosão de dados. O IDC prevê que haverá 80 bilhões de dispositivos conectados em 2025, o que irá gerar 180 trilhões de gigabytes de novos dados até lá.

Todas as máquinas que produzem milhões de dados precisam ser coletadas, agregadas e analisadas em tempo real para que as empresas possam conseguir valor a partir deles. A capacidade de aproveitar totalmente as informações de ativos físicos e usá-las para impulsionar decisões informadas é importante para a plena realização da Indústria 4.0. Com a proliferação de dispositivos conectados e conforme suas capacidades se expandem, há uma necessidade de tomada de decisão em tempo real e dados a serem processados instantaneamente, livres da latência da computação em nuvem. Este é um ambiente de capacidade computacional fora da nuvem – perto da fonte, onde os dispositivos e plataformas podem fazer análises em tempo real, sem primeiro enviar dados para a nuvem. Esse ambiente também é conhecido como Edge, ou borda. Gartner revela que 75% de todos os dados serão processados na borda até 2025.

Obstáculo 2: Alcançar uma integração perfeita entre OT e TI

Impulsionadas pelo aumento acelerado de tecnologias inteligentes, as indústrias estão reunindo a Internet das Coisas Industrial (IIoT), máquinas conectadas, robôs, sensores, dispositivos inteligentes e análise de dados em tempo real para integrar e automatizar várias tarefas do sistema de manufatura. No entanto, a integração de OT e TI costuma ser desconectada. A combinação de Edge computing e dispositivos industriais de IoT tornará mais fácil agilizar processos industriais, otimizar cadeias de suprimentos e criar a fábrica “inteligente”.

Obstáculo 3: ter maior visibilidade dos dados gerados, com velocidade

Todas as máquinas em uma instalação industrial ou de manufatura que geram dados precisam ser controladas e gerenciadas de forma eficaz para que agreguem valor às operações. O processo começa quando os sensores coletam dados do ambiente. Eles alimentam o sistema OT que os digitaliza. Esses dados digitalizados passam, então, para o lado da TI para processamento, antes de irem para os data centers. É aqui que entram em jogo os sistemas de TI na borda, que realizam mais análises.

Os sistemas de processamento de TI na borda geralmente ficam na instalação ou local mais próximo dos sensores. Embora seja possível processar os dados no data center, isso leva mais tempo. O valor real de ROI da implementação da IIoT é realizado por meio de insights acionáveis derivados dos dados IoT coletados, em tempo real. Isso só poderia ser possível com a ajuda de uma plataforma de analytics de alto desempenho e com infraestrutura na origem da borda.

As empresas comerciais e industriais são movidas pela necessidade de transformar e abraçar a digitalização para acompanhar as demandas do mercado, permanecer relevantes e manter a resiliência. A baixa latência, alta largura de banda e computação confiável, que vêm com a borda indústria, podem alimentar um ecossistema “always on”, em qualquer instalação, e ela é, sem dúvida, a solução para a continuidade de negócios eficaz.

Deixe uma resposta