“Vivemos ponto de inflexão em relação à segurança digital de dados”

Recentes casos de vazamento de dados acendeu – mais uma vez – o alerta de empresas de todos os portes e usuários quanto à segurança de dados e sua responsabilidade.

Ao passo que a digitalização dos negócios é um caminho sem volta, a confiabilidade inerente a estes ainda aparenta ser uma pedra no sapato para companhias que lidam com um grande volume de dados. A pergunta que fica é: como saber que meus dados estão seguros? E como posso proteger melhor os dados dos meus usuários?

De acordo com Fernando Santos, especialista na área de regulação e segurança de dados na Certsys (empresa especializada em transformação digital nas esferas públicas e privadas), este debate deve ser fomentado o máximo possível, em um momento em que regulamentações e novas tecnologias mudam o panorama da segurança.

“Devemos refletir mais sobre a segurança de dados. Temos a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) sendo enfim promulgada, e empresas correndo para se adequar, valendo-se também dos novos processos de transformação digital, principalmente os que envolvem cloud, aumentando a capacidade de armazenamento, trazendo agilidade e de certa forma uma segurança maior do que nos modelos antigos de trabalho. Mas isso não se transforma automaticamente em um ciclo seguro de armazenamento de dados”, explica Santos. 

Segundo o especialista, a LGPD foi um importante passo para que as empresas pudessem fornecer a uma transparência sobre a manipulação dos dados dos usuários, mas que a adequação por parte das empresas, além da implementação de processos e soluções para a segurança dos dados, ainda é uma etapa fundamental para que possíveis vazamentos sejam evitados. “É claro que não podemos prever ou mensurar o dano de um eventual ataque hacker. Mas podemos levantar barreiras e nos prepararmos para adversidades, que vão reduzir os danos em um eventual ataque. O uso responsável dos dados, coletando e tratando apenas o necessário, pelo período necessário, a implementação de ferramentas, alinhados às renovações de processo e ao apoio de consultorias especializadas na transformação interna é crucial”, continua o especialista.

As punições prescritas na LGPD para este tipo de acontecimento são severas: advertência e multa de 2% do faturamento anual da empresa envolvida, mas limitada a R$ 50 milhões, medida que vale a partir de agosto de 2021. “Não é mais uma questão de compliance ou simples modernização. As empresas, mesmo as já ‘consagradas’, precisam estar atentas e buscar ajuda se necessário. Quando falamos de dados pessoais, estamos falando de algo seríssimo. Não temos mais espaço para negligência e irresponsabilidade”, conclui Fernando Santos.

Recentemente, a Certsys desenvolveu um produto que ajuda as empresas a se comunicarem sobre privacidade com seus clientes, garantindo sua transparência e demonstrando o compromisso com as informações tratadas. Desde que a nova legislação foi promulgada, no ano passado, a companhia de tecnologia também atuou em mais de 15 projetos, apoiando seus clientes na jornada de adequação e possibilitando mais segurança nos tratamentos de dados.

Deixe uma resposta