Disciplina da especialização “Políticas Públicas para Cidades Inteligentes” discute inovação na gestão pública

Inovação na gestão pública e ecossistemas de inovação é mais uma disciplina ofertada, em maio, pela especialização em “Políticas Públicas para Cidades Inteligentes (Smart Cities)”, realizada pela Universidade de São Paulo (USP) em parceria com o Tribunal de Contas do Ceará, por meio da Escola de Contas Instituto Plácido Castelo. A disciplina está sendo ministrada pelos professores doutores Manuella Maia e Fernando Coelho.

De acordo com Fernando Coelho, professor/pesquisador da USP, com mestrado e doutorado em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), serão apresentadas as ideias-chaves relacionadas à inovação e discutidas as dimensões do processo de inovação na gestão pública. “Nossa intenção é levar os participantes a enxergar essas inovações, a partir de banco de casos e experiências que estão espalhados por todo o país”.

A outra ministrante da disciplina, Manuella Maia, é doutora e mestra em Administração Pública e Governo pela FGV e que atua como Analista de informações e coordenadora das pesquisas TIC Governo Eletrônico no Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). A professora é estudiosa da relação entre tecnologia e setor público desde 2007 e espera que a disciplina ajude a apontar caminhos para a adoção da tecnologia em iniciativas inovadoras dentro da gestão pública, contribuindo para a vida das pessoas.

As disciplinas da especialização estão divididas em três grandes módulos: uso de recursos tecnológicos; inovação na gestão pública e a participação do cidadão na cidade inteligente. Desde de março, quando houve o reinício das aulas, cinco disciplinas do primeiro módulo foram ofertadas. O intuito é apresentar de temas atuais e tendências para o futuro ligados à formulação de políticas públicas para as cidades.

Coordenado pelo IPC e pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP, por meio dos professores doutores Ana Carla Bliacherine e Luciano Vieira de Araújo, a especialização está sendo realizada no formato a distância, em encontros quinzenais.

Conforme a diretora executiva do IPC, Hilária Barreto, as aulas da especialização estão utilizando a metodologia do ensino síncrono, ou seja, ao vivo, e assíncrono, com a oferta de material gravado. “Diante da pandemia da Covid-19 que se instalou e das restrições sanitárias e de mobilidade que se impuseram, gerou-se a necessidade de se manter a ministração das atividades acadêmicas por EAD”, explicou.

A próxima disciplina, Internet das Coisas (IOT), será ministrada nos dias 27 e 28 de maio, pelos professores doutores Isabel Cristina Italiano e Luciano Vieira de Araújo.

Disciplinas realizadas este ano:

* Blockchain e Bitcoin (março)
* Bancos de Dados (Big Data) e Uso de base de dados públicos na gestão urbana (abril)
* Da economia tradicional às novas abordagens em Teoria Econômica (abril)
* Aprendizado de máquina, inteligência artificial e robotização (abril)
* Inovação na gestão pública e ecossistemas de inovação (maio)

Saiba mais

A especialização em Cidades Inteligentes busca fomentar a oferta de serviços públicos cada vez mais qualificados, utilizando novas tecnologias e sistemas de informação. Os participantes desenvolvem habilidades para uma gestão eficaz, transparente e compartilhada nas cidades, bem como competências que possibilitam a utilização de informações estatísticas para gerar conhecimento e aprimoramento das políticas públicas.

Os alunos têm acesso a conteúdos teóricos e práticos para atuação no setor público, assim como aquisição de novos conhecimentos. O curso vem para suprir uma demanda recorrente de capacitação de técnicos e dirigentes públicos e reforça a importância do encontro qualificado entre o meio acadêmico e demais setores da sociedade.
Saiba mais em https://www.tce.ce.gov.br/comunicacao/noticias/4561-disciplina-da-especializacao-politicas-publicas-para-cidades-inteligentes-discute-inovacao-na-gestao-publica.

Deixe uma resposta