Home office: quais setores podem ganhar com projetos desse tipo?

A pandemia da covid-19 acelerou a tendência do trabalho home office e as empresas já perceberam que esse caminho pode evitar custos com deslocamento de funcionários e manutenção de espaços de trabalho. O volume de empesas que aderiram à modalidade foi enorme, mas de acordo com uma pesquisa da Fundação Instituto de Administração (FIA), no final do ano passado, 67% das empresas tiveram dificuldades para implementar home office. Das empresas consultadas na pesquisa, 46% dos funcionários estavam em cargos passíveis de home office e 41% realmente passaram a trabalhar de casa.

E mais: 67% mantiveram seu quadro de funcionários estáveis enquanto 25% reduziram salários e jornada de trabalho e 20% adotaram férias coletivas.

“Era algo novo e muitos empresários temiam os riscos trabalhistas, mas com a consultoria adequada, feita por profissionais, esta mudança fica mais fácil” explica Renato Pádua, Gerente Comercial da CWBem.

Quais setores e funções podem aderir ao home office sem problema?

Representantes e consultores comerciais

Renato explica que representar uma empresa em transações comerciais ou fornecer ideias e projetos é uma função que é perfeitamente adaptável no home office: “Não é preciso estar fisicamente em um escritório, ainda mais com as plataformas que temos disponíveis agora. Se antes era preciso ter um representante em cada região de atuação da companhia, agora estes profissionais podem realizar suas atividades com clientes e prospects sem fazer deslocamentos.”

Vendedores

Mesmo antes da pandemia, muitos vendedores já estavam neste esquema home office, portanto não é nenhuma novidade. O vendedor remoto permite que o profissional tenha mais abrangência em alcance de mercado: “Neste caso, é certo que há a necessidade de se fazer treinamentos para ajustar a maneira como serão expostas ideias, mas até nisso o home office está ajudando. Tudo pode ser feito com o vendedor em sua residência desde que haja um fluxograma e organização”.

Marketing

Outra categoria que já estava encaminhada para o modelo home office, “no home office não há as constantes interrupções no escritório, que podem sim, atrapalhar as ideias desses profissionais. Quando uma empresa decide fazer a migração 100% home office do marketing, no entanto, é preciso fazer através de um projeto estruturado.

Suporte técnico em TI

Antes da pandemia, muitos destes profissionais já realizavam seus serviços técnicos por telefone ou se comunicando via internet. No home office, com todos os colaboradores em suas casas, ter um profissional de suporte em um único espaço perdeu sentido: “Apesar de ser possível uma certa locomoção, o profissional técnico que trabalha de forma autônoma ou com uma equipe pode executar suas atividades em home office sem prejuízo da qualidade de seu trabalho.”

Setor de saúde

A telemedicina foi o setor que mais ganhou visibilidade nesta pandemia, mesmo sendo este o setor em que o trabalho é, tradicionalmente, muito mais presencial: “Muitos agendamentos, e outras tarefas burocráticas, podem ser realizadas a partir de casa. E tem ainda os profissionais técnicos de raio-x que conseguem acessar perfeitamente o sistema do hospital para criar laudos de exames via home office. A telemedicina é uma das pedras fundamentais para evitar contato físico pela pandemia acelerou alguns destes processos, este setor, especialmente, precisa de muito planejamento antes de uma migração”.

Deixe uma resposta