Tecnologias na democratização financeira do open banking

O open banking chega na segunda fase de implementação neste mês no Brasil, a fim de facilitar as possibilidades de créditos, integrar dados de clientes da indústria financeira e garantir mais segurança nos dados compartilhados. Especialista da Digibee, scale-up brasileira que atua na integração de softwares e acelera os processos de implementações tecnológicas, explica como esse processo promete democratizar o mercado financeiro brasileiro por meio das integrações tecnológicas. 

No Brasil, o Banco Central anunciou que seguiria as diretrizes de implementação do open banking ainda em 2019, mas o modelo tem sido adotado por outros países desde 2018. O Reino Unido foi o primeiro a aderir ao novo formato e já serve como referência de como os bancos têm ampliado a disputa por clientes e, também, de como o modelo flexibilizou o cotidiano das pessoas com a tecnologia. 

Vitor Sousa, co-founder e COO da Digibee, afirma que “a digitalização das jornadas dos clientes está facilitando cada vez mais os processos empresariais e o cotidiano dos consumidores. Porém, o open banking será um grande salto para a abertura da competição do sistema financeiro nacional. A troca de informações dos clientes abrirá um conjunto enorme de oportunidades de negócio, como baratear e facilitar o crédito, diminuir os custos dos sistemas de pagamentos, abrir espaço para novas empresas e novos modelos de negócios inovadores. Tudo isso com muita segurança e flexibilidade.”. 

Segundo dados do Instituto Locomotiva, mais de 34 milhões de brasileiros não possuem acesso a bancos e créditos. Isso significa que, com o open banking, o cliente final também será beneficiado. Ainda, utilizará apenas um sistema para todas suas operações e poderá escolher qual instituição promove o melhor serviço financeiro para cada situação. Nesse sentido, Vitor destaca que “a implementação do open banking vai ser um dos maiores passos de democratização do mercado financeiro, pois reduzirá as barreiras ao consumidor final e permitirá que ele faça as escolhas dos produtos financeiros.”.

A partir de outra perspectiva, o sistema também pode impactar positivamente todos os nichos do mercado brasileiro, visto que mais pessoas terão acesso a créditos e as instituições vão planejar outras estratégias para concorrer por cada um deles. “Existe regulamentação e as instituições bancárias continuam se adequando para esta segunda fase de implementação, e, além disso, precisam correr para preservar e conquistar clientes. Sem dúvidas, o open banking será uma adaptação do serviço financeiro para um ambiente com novas oportunidades de negócios para empresas, muito menos burocrático”, comenta o COO da Digibee. 

As tecnologias, nesse contexto, representam a ponte para as performances eficientes das operações e precisam ser compreendidas por todos os atores para que o processo seja eficiente.

Deixe uma resposta