Ser um bom investidor-anjo vai muito além da questão financeira

Artigo de Theo Braga, CEO da Smart Money Education (SME), escola que atende líderes e empreendedores:

Cresci em uma casa em que o empreendedorismo foi ensinado desde o berço. Tive uma educação centrada em conquistar e não em receber. Dessa forma, apesar de receber certos olhares de reprovação por conta da minha pouca idade, não me sinto intimidado, ao contrário, trago comigo a vontade de levar adiante a experiência e os ensinamentos que recebi, e que me incentivaram a apostar na educação como chave-mestra para um nicho específico: o mercado de anjos-investidores.

Com esse objetivo em mente, em 2020 criei a Smart Money Education (SME), uma escola de dinheiro inteligente e de negócios inovadores. A expressão Smart Money serve para descrever os investidores que além de aportar capital serão um diferencial importante para uma startup. Ou seja, ensinamos que ser um bom investidor vai muito além da questão financeira.

Eu aprendi, por exemplo, que o planejamento é vital para todo o empreendimento que pretende dar certo, que não há empresa forte que tenha começado no “achismo” e sobreviveu de forma rentável. Por isso, toda educação na SME gira em torno de mostrar que uma startup é uma empresa que desde o seu nascimento é projetada para escalar e crescer diante de uma oportunidade identificada, de uma tendência ou descoberta de uma solução para um problema, mas tudo em que ser planejado e medido.

Por outro lado, assim como a palavra startup passou a fazer parte do conhecimento e até do dia a dia dos brasileiros, o termo investidor-anjo vem ganhando destaque, e com os realities shows sobre esse tipo de atividade, recebeu ainda mais notoriedade. Obviamente que isso é excelente por dois motivos. Primeiro, jogam luz sobre muitos novos negócios promissores e fazem com que empresários por trás das startups busquem se qualificar antes de procurar por aporte. Segundo, desperta nos empreendedores e pessoas interessadas nesse tipo de negócio a necessidade de se preparem com afinco antes de começarem a investir.

E por que esse negócio tem chamado tanto a atenção? Pelas cifras que movimenta com velocidade. Para que se tenha uma ideia, segundo pesquisa realizada pela Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos que fomenta o crescimento do investimento-anjo para o apoio ao empreendedorismo de inovação brasileiro, o valor aportado por investidores-anjo no Brasil mais do que dobrou na última década, saltou de R$ 450 milhões para cifras acima de R$ 1 bilhão em 2019.

Há um tempo, o grande dilema no mundo corporativo era a questão “Como Davi irá enfrentar Golias?”, ou seja, como pequenas empresas, em estágio inicial, vão competir com as empresas consolidadas no mercado. No entanto, agora, são as startups que desafiam as grandes estruturas, pois elas crescem rapidamente sem necessariamente aumentar o custo da operação. Hoje, o cenário mudou e o que vemos é o “Como Golias enfrenta Davi?”, afinal, com a disseminação da atividade e com centenas de cases de sucesso espalhados pelo país, muitos empresários e executivos desejam se tornar investidores-anjo com o objetivo de multiplicar o seu capital e apostar nas startups.

Nesse sentido, o meu papel hoje na Smart Money Education (SME), é mostrar os caminhos para uma empresa deslanchar, apresentar maior valuation, ser reconhecida pelo mercado e consequentemente, tornar a participação do investidor-anjo uma escalada com retorno almejado. Só que todo esse trâmite precisa seguir algumas regras, sendo uma delas essencial: a busca de conhecimento para operar nesse mercado. Afinal, o mundo dos negócios traz novas atualizações e estratégias todos os dias e a tecnologia avança, trazendo soluções cada dia mais impactantes. Por isso, quem não busca entender todas as evoluções da sociedade, acaba por não entender as necessidades de cada cultura, cada nicho de negócios e, com isso, pode deixar de investir e perder oportunidades únicas.  Nesse ecossistema, a busca pelo conhecimento é fundamental para empreender de forma inovadora e fazer do Brasil um país de oportunidades.

Deixe uma resposta