Como transformar sua empresa em um negócio internacional

Você já pensou em internacionalizar a sua empresa? Acha que só os grandes empresários conseguem levar o negócio para outros países? Não é bem assim, mesmo em um cenário econômico brasileiro mais complicado e com projeções não muito otimistas.

“Quem empreende no Brasil consegue empreender em qualquer lugar, levando em conta todas as dificuldades enfrentadas aqui. Vemos muitos pequenos e médios empreendimentos apostando, e dando certo, no exterior”, afirma Emanuel Pessoa, advogado especialista em Internacionalização de Empresas, Negociação, Contratos e Inovação. Segundo ele, os nichos com maior possibilidade de sucesso com a ramificação internacional são os de inovação, com soluções escaláveis, e de áreas que já contam com produtividade comparável à de países desenvolvidos. 

Com relação à atual situação econômica do Brasil, Emanuel explica que isso pode até se tornar uma vantagem. “É um cenário propício para se pensar na internacionalização das empresas, já que os mercados de fora irão encolher menos este ano e avançar mais rápido do que o brasileiro”. Isso significa que a receita doméstica deve cair, tornando mais atrativo obter receitas no exterior, principalmente em função da força do dólar.

Como internacionalizar a sua empresa?

O advogado conta que existem duas principais formas de levar um negócio para fora do País: via exportação ou operação in loco.

“A exportação tende a ser menos atrativa, pois, nesse caso, o empresário se depara com a desconfiança externa em relação aos produtos e serviços e ainda há os trâmites burocráticos e tributários para enviar a mercadoria ou o serviço para fora”, diz Emanuel.

Por isso, é melhor que as empresas optem pela operação in loco, abrindo filiais ou novas empresas em outros territórios para produzir localmente. “Que país não quer receber investimentos externos? Os governos sabem que novas empresas geram emprego e renda. A maioria dos países, inclusive, nem exige um sócio local”, conta.

Sobre o processo? Emanuel disse que não é dos mais complicados, porém, é fundamental ser acompanhado por bons profissionais, com uma assessoria que consiga dar o amparo legal para uma empresa operar fora do País. “Hoje há pouca gente que realmente sabe tocar a internacionalização de uma empresa. Para as empresas, é um investimento que vale ser feito, principalmente neste período que estamos vivendo, em que quase todo o resto do mundo vai caminhando para uma recuperação acentuada. Não é uma aposta, mas uma certeza”, conclui. 

Deixe uma resposta