Inovação é aposta para uma mineração mais segura e sustentável

O Brasil é um dos maiores produtores de minerais do mundo. O setor de mineração é responsável pela geração direta de cerca de 180 mil empregos e mais de 2,2 milhões de postos indiretos. Acompanhando uma tendência do mercado internacional, a indústria passou a investir em tecnologias mais seguras e sustentáveis, estratégia determinante para o futuro competitivo das empresas. Para atender a esta demanda, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) tem buscado apoiar o setor a partir da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I).

Em seis anos, 68 empresas do segmento tiveram acesso aos recursos não reembolsáveis da instituição e equipes qualificadas de pesquisadores para superar os desafios tecnológicos. No total, foram 75 projetos que somam R$ 141 milhões em investimentos, que geraram, até o momento, 46 pedidos de propriedade intelectual.

Os projetos envolvem as mais diversas áreas, tanto tecnologias que geram alternativas mais eficientes aos processos de beneficiamento do minério de ferro, redução de consumo de uso de compostos tóxicos, energia e água, quanto no reaproveitamento de rejeitos, sem perda de qualidade do material. Também há uma vertente para desenvolver tecnologias de alta complexidade como Inteligência Artificial, Big Data Analytics e Internet das Coisas (IoT).

Em 2020, a Embrapii e o Ibram assinaram uma aliança que vai aproximar o setor com a rede de Unidades Embrapii, importantes centros de pesquisas no Brasil, e se tornar referência para atividades de pesquisa e inovação para toda a cadeia produtiva da área mineral.

Conheça alguns projetos:

Menos resíduos na mineração

A Nexa Resources e a Unidade Embrapii Senai desenvolveram uma planta-piloto para recuperar metais valiosos presentes em resíduos gerados no processo produtivo de diversas de suas filiais. A estrutura utiliza tecnologia pirometalúrgica, processo de superaquecimento inédito no Brasil, que além de reduzir impactos ambientais agrega valor aos resíduos. A planta está fortemente amparada no conceito do desenvolvimento sustentável. O procedimento, além de tornar o resíduo inerte, estável e de fácil decomposição, recuperou a maior parte dos metais estratégicos para a companhia: zinco, chumbo e prata.

Segurança em Barragens

A Unidade Embrapii – IF Fluminense e a startup InvisionGeo desenvolveram um sensor – com uso de inteligência artificial – para fazer o monitoramento sísmico em tempo real de toda atividade mineradora. A partir da instalação de diversos sensores na estrutura das barragens, é possível monitorar as vibrações das atividades mineradoras para captar as mais diferentes vibrações, desde o tráfego de caminhões a explosões com dinamite, e de reconhecer alterações que possam considerar risco à segurança local.

Funciona dessa forma: os dados coletados no dia a dia constroem um conjunto de indicadores, que vai guiar a análise das informações e diagnosticar mudanças atípicas nos arredores das estruturas de barragens. Se ocorrer alterações, será possível direcionar ações de segurança, seja de manutenção ou esmo emissão de alertas e evacuação em casos mais graves.

Operação Remota de Atividades de Mineração

Resultado de uma parceria entre a Vale e a Unidade Embrapii – DCC/UFMG, o projeto desenvolveu métodos e protocolos robustos para manipulação remota de dispositivos industriais na mineração. O objetivo é dar mais segurança e conforto aos operadores, retirando-os da área de risco. A tecnologia envolve aspectos técnicos como controle com retroalimentação de força e novas diretrizes para comunicação e de compressão de imagens. Além disso, foi desenvolvido um novo desenho dos painéis de controle – otimizados e mais produtivos.

Novos equipamentos

A Unidade Embrapii – IFES e a Vale se uniram para desenvolver um tribômetro (instrumento para medir a força de atrito entre duas superfícies) capaz de reproduzir os mecanismos de desgaste que atuam na mineração e propor tratamento térmico adequado aos materiais já empregados na transferência de minério de ferro e que possibilite o aumento da resistência aos desgastes.

Deixe uma resposta