Na busca pela retomada do crescimento, soluções inovadoras dão mais eficiência à cadeia automotiva

As consequências da pandemia da covid–19 continuam impactando diferentes setores do cenário brasileiro. O varejo é um dos mais afetados. E, em busca da retomada do crescimento, as novas tecnologias surgem como aliadas, desburocratizando processos, facilitando o crédito e as relações comerciais entre fornecedores e varejistas. Um exemplo disso é a tecnologia da Alpe, uma fintech que permite ao fornecedor aceitar como forma de pagamento as parcelas das vendas feitas com cartão de crédito pelo varejista ao consumidor final. E sem taxa de antecipação para o varejista.

Essa modalidade de pagamento oferece à indústria, ou ao distribuidor, mais competitividade e segurança na negociação: aceitar as parcelas das vendas feitas pelo lojista elimina o risco de inadimplência e auxilia na fidelização do varejista. E ainda há a oportunidade de expansão do mercado, com o varejo oferecendo mais parcelamento para o consumidor final, e o fornecedor ampliando sua carteira de clientes, sem risco de crédito.

“A pandemia trouxe uma dificuldade para fornecedores na questão de validação de crédito para o varejo. Nosso sistema é de fácil implantação e estreita a relação entre fornecedor, nesse caso o distribuidor de autopeças, e varejista, dando segurança para ambos e possibilitando crescimento e a retomada dos negócios nas duas frentes”, explica João Victor Martins, diretor comercial da Alpe.

Ajudando a retomada do setor de autopeças em SJRP

A região de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, é uma das primeiras a se beneficiar com esse sistema. Com a utilização da solução da Alpe os fornecedores podem investir na melhoria da parceria com lojistas locais. 

“Desde o início da pandemia, vivemos um momento delicado no comércio e, por isso, é fundamental contar com soluções inovadoras como a que a Alpe nos oferece. Usando tecnologia, conseguimos oferecer aos nossos clientes melhores condições comerciais para compra, com uma oferta mais atrativa e segurança para continuar vendendo”, explica Tunico Barros, diretor comercial da Barros Autopeças, distribuidor de autopeças parceiro da Alpe na região.

“É também uma maneira de evoluir o nosso negócio levando inovações financeiras para os nossos clientes e para o segmento de autopeças. Menos burocracia para o varejista que não precisa mais se preocupar com boletos, vencimentos, etc. E o melhor: tudo isso a um custo financeiro muito interessante se comparado com o mercado”, complementa Mateus Barros, diretor financeiro da Barros Autopeças. 

De acordo com uma pesquisa do Sindipeças, os primeiros meses de pandemia impactaram no faturamento da indústria de autopeças no Brasil. Ao longo de 2020, houve uma queda de cerca de 36% no faturamento. No entanto, o relatório recente do sindicato mostrou a projeção de aumento de 14,5% no faturamento até o final deste ano, o que comprova a importância do investimento nesse setor.

O ciclo da negociação entre fornecedores e varejistas

A venda via Alpe funciona da seguinte forma: 

  1. O varejista realiza o pedido ao fornecedor da mercadoria (indústria ou distribuidor);
  2. O fornecedor da mercadoria recebe o pedido do varejista, avalia a agenda de recebíveis e libera o pedido;
  3. Automaticamente, os valores da agenda do varejista são utilizados para o pagamento do pedido;
  4. O fornecedor despacha o pedido e o varejista recebe a mercadoria.

Além da vantagem clara para os fornecedores, os lojistas também são beneficiados, pois conseguem facilitar o pagamento para o consumidor final, com maior parcelamento, e usar essas parcelas do cartão para realizar o pagamento dos fornecedores, sem o custo de antecipação. Isso traz aos varejos um aumento das vendas, maior rentabilidade e melhor gestão do fluxo de caixa e do capital de giro.

Deixe uma resposta