Como o trabalho híbrido mudará a realidade das empresas brasileiras

O mercado de trabalho, que já vinha sofrendo mudanças com a revolução tecnológica e a internet cada vez mais veloz, entrou em uma nova etapa, dados os últimos acontecimentos.

A crescente digitalização dos espaços de trabalho, a necessidade de novas funções e, recentemente, a pandemia, fizeram com que milhares de empresas no Brasil e no mundo aderissem ao trabalho remoto.

Ao mesmo tempo, dificuldades existentes foram extintas e novas preocupações apareceram, trazendo desafios aos empresários e líderes de equipes, que ainda não conseguiram se adaptar ao novo cenário.

Segundo o especialista em Negócios Digitais e CEO da CLikss Brasil, CR.Andrade, o trabalho remoto veio para ficar, mas não do modo como está presente hoje.

“O que vemos hoje ainda é um embrião do futuro, nem 100% remoto, nem 100% presencial, mas algo no meio, que beneficie as empresas e que leve em conta o bem-estar do colaborador”, explica CR.Andrade.

Isso vem sendo corroborado por grandes pesquisas encomendadas por duas das maiores empresas de tecnologia do mundo: Google e Microsoft.

“O que temos nesses relatórios são manifestações empíricas do que a pandemia trouxe aos ambientes de trabalho, em especial aos escritórios. Ao mesmo tempo, essas conclusões precisam ser entendidas no contexto de cada país, pois precisamos levar em conta diversos fatores como cultura, hábitos e até mesmo a legislação local”, esclarece o CEO.

Para o especialista, um dos principais entraves ainda são as gerências e lideranças das empresas, que precisam se adaptar ao trabalho remoto e, no futuro, o híbrido.

Outro ponto é a digitalização massiva de processos, como se pôde perceber pelo aumento do número de encontros através de aplicativos e plataformas de reunião, o que, segundo a Microsoft, aumentou em 150%, com encontros superiores a 45 minutos, um acréscimo de 10 minutos ante o índice anterior à pandemia.

“A tecnologia nem sempre será um benefício, algumas vezes ela pode se tornar um problema numa organização, procedimentos exagerados, processos que não têm qualquer significado e ferramentas e funções complexas podem levar o trabalhador a “travar””, alerta CR.Andrade.

Mas, afinal o que é o trabalho híbrido?

Esse modelo tem algumas variações, mas o que estamos tratando é justamente da realidade sem que haja exclusivamente remoto ou presencial.

Então teremos a flexibilidade como base, com escalas de trabalho presencial, com atividades que necessitem da presença do colaborador, seja na empresa ou em outro local.

“O trabalho em regime híbrido é aquele em que tarefas de execução podem ser realizadas de forma remota, em casa ou em qualquer lugar, e as atividades de decisão, reuniões e fechamento e entrega de projetos são feitos presencialmente em locais determinados pela empresa”, segundo CR Andrade.

Equilíbrio entre vida pessoal e o trabalho

Outro aspecto que contribui bastante para a produtividade de um trabalhador é o equilíbrio entre a vida pessoal e seu trabalho. “Justamente nesse aspecto o trabalho remoto e o modelo híbrido tendem a garantir maior produtividade”, afirma o CEO da CLikss Brasil.

Para os trabalhadores essa visão de que seu empregador está preocupado com seu bem-estar leva a um ambiente de trabalho fluído e com menores preocupações.

Benefícios do trabalho híbrido

Para CR.Andrade o trabalho híbrido tem vantagens significantes frente ao trabalho exclusivamente remoto e o presencial:

1)    Relações sociais mais significativas e que levam à compreensão e soluções mais rápidas e eficientes de problemas das organizações;

2)    O banco de talentos cresce com a capacidade das empresas de ter empregados em situação de trabalho remoto (lembrando que o trabalho híbrido não quer dizer aparecer presencialmente toda semana);

3)    Democratização do acesso ao trabalho, uma vez que o banco de talentos cresce, mais pessoas serão alcançadas pelo mercado de trabalho.

Mudanças de cultura

Ainda é preciso muito trabalho para que esse modelo seja agregado à realidade do mercado.

Algumas delas são simples, e aparando algumas arestas, já é possível tê-las e com isso aumentar a produtividade das empresas, sem que isso sobrecarregue seus colaboradores.

Algumas mudanças são:

1)    Sabemos que as cobranças aumentaram exponencialmente com o trabalho remoto e para que o trabalho híbrido seja um sucesso, é preciso que lideranças entendam e favoreçam o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, carga de trabalho compatível com as funções, tracem metas de intervalos e que isso se perpetue como cultura corporativa;

2)    Criar um espaço corporativo que seja atraente para seus colaboradores, onde ele entenda que a colaboração é um dos princípios integrativos de seu trabalho, e com ela todos somente têm a ganhar;

3)    Acesso a equipamentos para os empregados, explorando a divisão entre trabalho e vida pessoal, tornando o seu colaborador mais responsável e sem maiores preocupações quanto ao ambiente de trabalho;

4)    Promover a flexibilidade. Os colaboradores executam seus trabalhos quando estiverem se sentindo mais produtivos.

Esse modelo não é exatamente uma novidade, era tido como um estilo relacionado a atividades mais “underground”, por assim dizer. A partir de hoje, é um dos mais bem conceituados regimes de trabalho e pode ser o que uma empresa precise para embarcar numa jornada ao futuro.

Deixe uma resposta