Aporte bilionário do mercado bitcoin consolida novo modelo de investimento em startups

Investimentos em forma de recursos financeiros são importantes, porém um olhar estratégico com suporte “hands on” também geram muito valor na jornada de um unicórnio. Prova disso é o Mercado Biticoin, fintech que acaba de receber um aporte de R$1 bilhão (US$200 milhões) do Softbank Latin American Fund. Criada com foco específico na corretagem  especializada em criptomoedas, principalmente Bitcoin, a empresa contou com a orientação da Play Studio, consultoria de inovação e Venture Builder, para ampliar significativamente seu modelo de negócios, sinalizar com um potencial de crescimento exponencial e conquistar uma avaliação de mercado de R$ 10,4 bilhões (US$ 2,1 bilhões).

Para o sócio da Play, Romulo Perini, além da competência dos fundadores e de toda equipe gerencial, a jornada percorrida pelo Mercado Bitcoin solidifica o modelo de investimento na forma de serviços no relacionamento entre startups e consultorias de inovação. “Considerando a dificuldade de disponibilizar recursos financeiros das empresas em estágio inicial de desenvolvimento para obter serviços de consultoria, nós desenvolvemos um modelo no qual a nossa remuneração é considerada como investimento dentro do negócio. Desta forma, conseguimos auxiliar com diagnósticos, projeções de cenários futuros e aconselhamento sobre movimentos estratégicos vislumbrando a possibilidade de ganhos futuros com a implementação dos projetos. Foi o papel que executamos junto ao Mercado Bitcoin e sua rápida transformação em unicórnio consolida o nosso modelo de negócios como alternativa concreta de alavancagem de empresas”, diz.

Perini ressalta que este modelo consegue garantir à startup o alinhamento de interesses e um compromisso integral da consultoria ao seu plano de negócios num contexto de longo prazo. “Na prática a consultoria assume parte dos riscos junto com os empreendedores e isso se torna um fator que fortalece o engajamento”, completa.

Segundo ele, a estrutura sempre enxuta das startups geralmente obriga os empreendedores a terem uma agenda totalmente consumida pelas atividades do dia a dia. Desta forma, muitos deles não conseguem espaço para obter um olhar estratégico sobre o futuro da operação. Isto os leva a desperdiçar oportunidades. “Ao ter uma consultoria experiente e capacitada como parceira, a companhia tem a chance de experimentar uma visão ampliada de suas potencialidades em face das tendências futuras dos mercados em que estão inseridas”, garante Romulo.

No caso do Mercado Bitcoin, o maior desafio era a volatilidade da avaliação das criptomoedas. Na mesma velocidade em que o valor dos bitcoins, por exemplo, sobe e traz aumento de faturamento significativo às corretoras, em determinados períodos esses ativos também registram quedas que prejudicam a previsibilidade do fluxo de entrada de recursos.

A solução encontrada foi o desenvolvimento de um ecossistema de negócios utilizando a tecnologia do Blockchain que hoje forma o Grupo 2TM.  Ele é composto por empreendimentos que vão além da corretagem, como a carteira digital Meubank, a custodiante qualificada de ativos digitais Bitrust, a Clearbook, plataforma de equity crowdfunding, o MBDA, uma tokenizadora de ativos, a Mezapro, solução provedora de serviços para investidores institucionais, e a Blockchain Academy, braço educacional do Grupo.

“A Play Studio nos ajudou a aprofundar a estratégia de aproveitar o know-how de tecnologia e plataformas com essa visão de utilizar os criptoativos e o blockchain como infraestrutura de mercado para poder criar outros serviços além da própria excchange”, afirma o cofundador e membro do conselho administrativo do Mercado Bitcoin, Gustavo Chamati,

Deixe uma resposta