A Coluna do Roberto Maciel: Chance olímpica de se recuperarem cores e símbolos do Brasil

  • As Olimpíadas já foram mote de comentário nesta Coluna e voltam hoje à raia. Escrevemos sobre a skatista Rayssa Leal (MA) e o surfista Ítalo Ferreira (RN), dois nordestinos vitoriosos (invocados, porretas, pais d’éguas, porque não?). Acrescentemos à “Lista de Orgulho” os cariocas Rebecca Andrade e Bruno Fratus, ginasta de ouro e prata e nadador de bronze. Não há porque correr do assunto nem golpear eventuais conexões que possam haver com a política e a administração pública. Existe uma relação tão óbvia quanto incontestável: os atletas mais bem-sucedidos em todos os países participantes têm ou tiveram vínculos com estruturas financiadas pelo Estado e/ou por instituições educacionais. Até nos Estados Unidos, nação-polo do capitalismo e do liberalismo, universidades e escolas de graus anteriores têm incentivos fiscais, o dinheiro do contribuinte passa por esses caminhos. Não é assim no Brasil, pelo menos de forma ampla. Em vez de aprimorar a atenção que prestava ao esporte, o Governo Federal fez foi cortar verbas para o setor. Com isso, é constrangedora a frequência com que atletas de alto desempenho, medalhistas em potencial, tenham de buscar amparo no exterior. Com isso, por fim, torna- se muito pessoal e espetacular cada vitória brasileira.

Aliados
Em favor da gestão atual, no entanto, há de se dizer que há concorrentes em modalidades diversas que apoiam Jair Bolsonaro e os filhos. Mesmo conhecendo e reconhecendo os problemas, esses admiradores do “mito” são figuras bem presentes nas cenas das competições. Grande parte tem sofrido revezes e frustrações volumosas – como as equipes de tiro, de esgrima e de equitação.

Marcos surrupiados por oportunistas
Mas observe-se que os Jogos Olímpicos de Tóquio acabaram por abrir uma possibilidade a mais para os brasileiros. É que, na torcida, tivemos a chance de encontrar mais uma vez o prazer de vibrar por pontos, movimentos, arremessos, gols, o que seja que se vista de verde-amarelo. Isso é muito, muitíssimo, importante. As cores da pátria haviam sido surrupiadas por esquizofrênicos e entreguistas discursos e gestos. Desde 2013, com os protestos contra a gestão de Dilma Rousseff (PT) que eclodiram e foram superlativizados por parte da Imprensa antes da Copa das Confederações, vestir a camisa da Seleção Brasileira ficou associado ao golpismo, ao ódio, à violência. Sacudir a bandeira nacional ficou relacionado ao nacional-bolsonarismo. Quem é progressista meio que ficou encabulado e evitando ser confudido com gente como o deputado federal gaúcho Bibo Nunes (abaixo)

Deputadas querem levar Bibo Nunes (PSL-RS) ao Conselho de Ética após fala  machista - CartaCapital

e o empresário catarinense Luciano Hang (abaixo).

Dono das lojas Havan, Luciano Hang, é condenado por atacar reitor da  Unicamp com fake news | Brasil - Últimas Notícias do Brasil | O POVO Online

Razões não faltam para se ter vergonha alheia, diga-se.

Medalha
O presidente do Tribunal de Contas do Estado do Ceará, Valdomiro Távora, foi um dos homenageados com a Medalha alusiva aos 130 anos do Ministério Público do Estado. A comenda foi entregue pelo procurador-geral de Justiça do MPCE, Manuel Pinheiro. Um ato discreto, por sinal, bem cabível aos tempos de isolamento e distanciamento social.

Faz parte
Articulador do impeachemnt da presidenta Dilma Rousseff e bolsonarista de primeira hora, que escancarou as portas da entidade que dirigia, a Federação das Indústrias do Ceará, para palestrantes oportunistas e outros vendedores de ilusões, o empresário Beto Studart vai abrir o coração na próxima segunda-feira em entrevista na rádio da Assembleia do Ceará. Não obstante o modelo do governo atual, a casa é democrática.

No ar
Está no ar a live Coluna da Hora com o músico Jefferson Gonçalves, um dos mais importantes gaitistas do Brasil. Jefferson fala sobre escolhas profissionais e familiares em razão da pandemia e do mercado cultural, entre outros assuntos. Confira abaixo:

Podcasts
Também estão disponíveis os podcasts do Fórum Harmônicas Brasil, edição digital 2021, com os gaitistas Márcio Abdo, Little Will e Márcio Scialis, Pablo Fagundes e Benê Chireia (foto). Você os acompanha a partir deste link:

Sua opinião é valiosa
Os leitores têm canais abertos com o Portal InvestNE e com a Coluna do Roberto Maciel. O e-mail é portalinvestne@gmail.com e nosso número de WhatsApp é +55 85 99855 9789.

Deixe uma resposta