Pesquisa revela que 80% dos brasileiros consideram a energia elétrica muito cara

Oito em cada dez brasileiros consideram alto ou muito alto o preço da energia elétrica no país. A constatação foi realizada por meio do estudo “Opinião do Brasileiro sobre Setor Elétrico”, de maio de 2021, da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). 

A pesquisa, que ouviu mais de duas mil pessoas de 130 municípios, tem a finalidade de mostrar a percepção do consumidor sobre o cenário atual do setor elétrico e as perspectivas futuras. 

Em relação à pandemia, o estudo levantou que a conta de luz passou a pesar mais no orçamento familiar de 79% dos entrevistados, seja pelo consumo maior em decorrência da permanência em casa, seja pela redução da renda familiar.

Brasileiros querem livre escolha no fornecimento de energia 

Segundo o levantamento, 81% dos brasileiros desejam poder escolher a empresa fornecedora de energia. De cada 10 entrevistados, sete afirmaram que trocariam o atual fornecedor de energia elétrica caso a medida de livre escolha fosse implantada, e 19% acredita que o principal motivo dos preços elevados consiste na falta de concorrência no mercado ou na impossibilidade de se escolher a empresa fornecedora.

Esses dados apontam para uma tendência que cresce cada vez mais: a procura pelo chamado Mercado Livre de Energia, tanto por consumidores residenciais quanto por empresas. 

“Nesse mercado, o consumidor é livre para comprar energia do fornecedor que julgar mais interessante, levando em consideração diversos fatores, que vão desde o preço praticado até detalhes como a segurança no fornecimento e a fonte geradora. A ideia principal é que o cliente exerça seu direito de portabilidade, à semelhança do que ocorre no setor de telefonia, por exemplo” explica André Cavalcanti, CEO da Elétron Energy, empresa especializada na migração de consumidores ativos para o Mercado Livre de Energia. 

Hoje, os clientes que consomem entre 500 kW e 1.500 kW podem efetivar a compra de energia de fornecedores cuja geração utilize fontes alternativas, como solar, eólica, biomassa, ou, ainda, de usinas com potência entre 1 MW e 30 MW, denominadas pequenas centrais hidrelétricas.

Já os clientes com consumo igual ou superior a 1.500 kW estão liberados para comprar de qualquer fornecedor. Esse cenário passa a valer com a entrada em vigor da Portaria 465/2019 do Ministério de Minas e Energia (MME), ampliando o acesso ao Mercado Livre de Energia.

André Cavalcanti destaca quais são as principais vantagens desta modalidade. “O mercado livre de energia oferece uma série de benefícios aos consumidores. O principal deles certamente é a redução de preços. No mercado tradicional ou cativo, o cliente faz a contratação compulsória da empresa que atua em sua região, sem a possibilidade de negociar o contrato, detalhes de fornecimento e as tarifas, além de estar sujeito às bandeiras tarifárias”, explica o executivo. 

Fontes renováveis de energia

O estudo também demonstrou o interesse do brasileiro pelas fontes renováveis: 92% dos entrevistados gostariam de gerar energia elétrica em casa, sendo que 46% pagariam um preço maior para incentivar a geração de energia de fontes renováveis, o que demonstra uma maior conscientização em relação ao meio ambiente.

Deixe uma resposta