Games deixam de ser hobby e viram opção para carreira profissional

Com o passar dos anos, a indústria mundial de games evoluiu e construiu um dos mercados mais sólidos e estáveis, que movimenta bilhões ano após ano. Hoje (29.8) é celebrado o Dia Internacional do Gamer. A data, além de homenagear os mais apaixonados pelo mundo dos games, reforça a relevância do setor no mercado global e prova que jogar videogame deixou de ser apenas um hobby, mas também uma possibilidade de carreira ou ferramenta para desenvolvimento profissional.

No primeiro semestre de 2021, o mercado mundial de jogos já movimentou US$ 60 bilhões – quase o dobro do valor arrecadado em 2020 – de acordo com o levantamento do banco de investimentos Drake Star Partners. Já a previsão da consultoria Newzoo aponta que no final de 2023, o faturamento do segmento deve alcançar US$ 200 bilhões. No Brasil, o mesmo levantamento mostrou que a previsão é de que o setor movimente US$ 2,3 bilhões (cerca de R$ 12 bilhões) em 2021, o que representará um aumento de 5,1% na receita anual, além de se tornar o país com maior representatividade em receitas de jogos da América Latina e o 12º do mundo.

Desde cursos profissionais para desenvolvedores ou treinamentos gamificados para vendedores, o mercado de games oferece as mais variadas oportunidades, que atendem às necessidades e carências de outros mercados. Inserida neste contexto, a Play2sell – primeira plataforma que une capacitação e incentivo de vendedores, por meio de games no Brasil – triplicou de tamanho no primeiro semestre do ano ao transformar os monótonos treinamentos de vendedores em momentos de aprendizado e diversão, gerando negócios que causam impacto em diversos setores, como: imobiliário, varejo e farmacêutico.

A startup desenvolve estratégias mais eficazes e estímulos corretos, que unem interação e diversão, e colabora com a transformação na forma de vender e se comunicar. “Nós acreditamos que a educação empodera profissionais e, por meio da nossa plataforma, queremos revolucionar a maneira como os profissionais de vendas aprendem no ambiente corporativo”, explica Felipe dos Santos, CEO e fundador da Play2sell.

Para auxiliar na formação de novos talentos na área, aIronhack, escola global de tecnologia e programação, inclui atividades relacionadas a games nos módulos dos bootcamps. Por exemplo, na terceira semana do curso de Web Development, o aluno deve desenvolver um jogo 2D com tema livre. Durante a apresentação deve explicar a narrativa da ideia, regras de jogabilidade, além de compartilhar com os colegas todos os desafios técnicos encontrados. “O mercado de games oferece oportunidades para quem quer trabalhar com tecnologia. Existe espaço para os profissionais que desejam atuar com jogos ou desenvolver soluções que utilizam o conceito da  gamificação. O setor mantém um crescimento anual expressivo, movimenta bilhões de dólares no mundo e se tornou um caminho muito atrativo para a área de programação”, explica Alexandre Tibechrani, General Manager Latam da Ironhack. 

Os bootcamps de tecnologia e programação são cursos imersivos em que o aluno pratica todos os dias, durante várias horas, tudo o que aprendeu até aquele momento. De acordo com osúltimos resultados publicados pela escola (em julho de 2020), 89% dos estudantes estavam empregados no prazo de 180 dias após a graduação.

Deixe uma resposta