Cinco dicas para a sobrevivência das pequenas empresas

Em 2020, o alto índice de desemprego, agravado pela crise gerada pela pandemia, fez disparar o número de empreendedores no Brasil. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), a quantidade de empreendedores motivados por necessidade saltou de 37,5% em 2019 para 50,4% em 2020. Mas, em cinco anos, cerca de 29% desses MEIs serão encerrados, é o que mostra a pesquisa Sobrevivência de Empresas (2020), realizada com base em dados da Receita Federal.

O engenheiro de software e consultor de empresas Guilherme Menezes, sócio-fundador da ZUG Analytics, explica que o despreparo para administração, a falta de planejamento e a falta de caixa são os principais motivos que levam ao encerramento de pequenas e médias empresas. “O problema é que quem empreende por necessidade normalmente não tem tempo de se planejar, nem de estudar o mercado ou de se organizar para garantir a sobrevivência pelos primeiros anos”, comenta o analista.

Menezes, que é consultor de pequenas e médias empresas, explica que organização é fundamental. “Muitos empresários usam vários softwares para gerenciar seu negócio. Isso dificulta a organização, reduz a eficiência da gestão, consome tempo e não permite que o empresário tenha um panorama global da sua operação. É imprescindível que a empresa otimize esse processo e tenha um controle de toda a sua operação em um software único, porque isso consumirá menos tempo e essa eficiência se traduz, com as estratégias corretas, em ganho de produtividade”, reforça.

O consultor explica que o mercado dispõe de softwares de gestão a preços acessíveis e reforça que eles permitem ter, em poucos cliques, acesso ao panorama completo da operação. “É possível controlar estoque, fluxo de caixa, de vendas, base de clientes, contas a pagar e essas informações são indispensáveis, por exemplo, para fazer a precificação correta dos produtos”, exemplifica.

Saber precificar seus produtos e serviços é, na avaliação de Menezes, uma arte e uma ciência ao mesmo tempo. “O empresário tem que incluir o custo de compra, os custos para vender e saber qual é a margem mínima e máxima pra ser competitivo em termos de preço. Isso não é uma tarefa muito simples, é preciso ter um processo de compra muito bem desenhado e uma gestão de estoque diária”, completa. Segundo o especialista, disciplina operacional é outra característica indispensável para uma boa gestão. “Todos os dias o empresário tem que alimentar o software porque isso permite que acompanhe seus resultados para traçar estratégias inteligentes de crescimento”, acrescenta.

Vendas on-line
O Brasil tinha, em julho deste ano, 18.102.814 empresas ativas. Se destacar entre tanta gente requer planejamento. “Boa parte das empresas que sobreviveram à pandemia, além de gerar caixa suficiente, investiram nas vendas on-line, mas o processo não é tão simples como muita gente pensa. É um processo que precisa de planejamento completo. Gerir vendas tem a ver com gerir clientes, você precisa conhecer quais são aqueles que compram mais de você, colocar o foco neles. Em resumo, para o pequeno empresário crescer ele tem que praticar a gestão por indicadores, por isso os softwares únicos de gestão são indispensáveis”, afirma o consultor.

Outra coisa importante é acompanhar o giro, saber quais produtos vendem mais e quais emperram. Essa gestão permitirá que o empreendedor não tenha um custo alto com estoque parado e permitirá direcionar a produção para os produtos que vendem mais. “Definir estratégias adequadas é indispensável para aumentar a produtividade, os lucros e, portanto, para garantir a sobrevivência das empresas”, resume.

Dicas para empreendedores
– Tenha organização e disciplina operacional
– Use um software único de gestão
– Invista em vendas on-line
– Faça gestão por indicadores
– Aprenda a precificar produtos e serviços
Fonte: ZUG Analytics

Deixe uma resposta