No “Setembro Amarelo”, FUP e Sindipetro-NF lançam campanha de promoção da saúde mental e prevenção ao suicídio

Com o tema “Heróis e heroínas também se cuidam”, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e o Sindicato dos Petroleiros do Norte-Fluminense (Sindipetro-NF) se unem à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e à Confederação Nacional dos Químicos (CNQ) no “Setembro Amarelo”, mês de prevenção ao suicídio. As representações sindicais vão promover diversas ações (veja programação abaixo) em suas redes sociais para debater as dificuldades que vêm afetando cada vez mais a saúde mental de trabalhadoras e trabalhadores.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, são registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil. Entre os petroleiros, somente o Departamento de Saúde do Sindipetro-NF registrou 13 suicídios desde 2012, mas o número deve ser muito maior, devido à subnotificação. Somente em 2020 e no primeiro semestre de 2021 já foram registrados quatro casos.

Um dos fatores que costumam desencadear a depressão – uma das principais causas do suicídio –, é a pressão no ambiente do trabalho, situação que piorou com a pandemia de Covid-19. E, no caso dos trabalhadores próprios da Petrobrás, essa pressão se tornou ainda pior com a venda de diversos ativos da empresa, que obriga petroleiras e petroleiros a mudarem de região ou até mesmo se desligarem da empresa. Em situações extremas, pode ocasionar o suicídio.

Foi o que ocorreu com um trabalhador da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, que se suicidou em 22 de setembro do ano passado nas dependências da planta. Investigações da Auditoria Fiscal do Trabalho, vinculada à Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT)/Ministério da Economia, e do Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador (Cesat) da Bahia, apontaram que a tragédia foi causada por condições de trabalho desfavoráveis, ambiente de insegurança, de tensão e de mal-estar coletivo. Em consequência, a RLAM recebeu seis autos de infração.

A pesquisadora do Centro de Estudos do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), Liliane Teixeira, falou sobre a deterioração das condições do trabalho sofrida pelos petroleiros: “O setor do petróleo e gás está entre os que mais implementaram mudanças em rotinas e escalas, com consequências na saúde mental dos trabalhadores. As mudanças de escala, essa rotina de até 28 dias embarcados, são muito ruins para a saúde e para a qualidade do sono, o que desregula todo o corpo. Fora a ansiedade e as preocupações relacionadas à Covid a cada embarque e reencontro com a família”, destacou ela, em entrevista à CNN Brasil.

Por isso, as atividades programadas pelas entidades visam estimular os trabalhadores a conversarem sobre o assunto e, se necessário, pedirem ajuda. O objetivo é mostrar que os trabalhadores e as trabalhadoras precisam cuidar de sua saúde mental.

“Ninguém é uma ilha e ninguém é de ferro. Nossa força guerreira vem de estarmos juntos. Precisamos criar um ambiente de trabalho em que o diálogo seja franco e permanente, com os colegas, com o sindicato, com os coletivos de saúde e com as estruturas públicas de saúde mental. Não é vergonha pedir ajuda e não é invasivo ajudar. Cuidado, empatia e solidariedade são os valores dos verdadeiros heróis e heroínas”, explica cartilha que será divulgada pela campanha.

As entidades estimulam contatos nos locais de trabalho e com as áreas de saúde dos sindicatos para que exista um diálogo permanente sobre saúde mental e prevenção ao suicídio. A campanha também divulga o trabalho do CVV (Centro de Valorização da Vida), que atende gratuitamente pelo telefone 188 ou pelo site www.cvv.org.br.

Em 2003, a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu o dia 10 de setembro como o “Dia Mundial da Prevenção do Suicídio”. Em 2015, a campanha “Setembro Amarelo” começou no Brasil, por iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Ações programadas

8 de Setembro (hoje)

– Veiculação do programa “NF ao Vivo”, às 19h30, com representantes de famílias que passaram por casos de suicídio.

– Lançamento da cartilha “Heróis e heroínas também se cuidam”.

29 de Setembro

– Veiculação do programa “NF ao Vivo”, às 19h30, com especialistas na área de Saúde Mental no Trabalho.

Durante todo o mês

– Veiculação de vídeos curtos nas redes sociais das entidades sindicais participantes sobre saúde mental no trabalho e prevenção ao suicídio.

– Divulgação de banners nos sites e faixas físicas das entidades.

– Abordagem do tema nos boletins sindicais.

Deixe uma resposta