Organização de networking pivota na pandemia e fatura US$ 1 bilhão no Brasil e US$ 17 bilhões no mercado global

A pandemia do coronavírus abriu novas oportunidades e perspectivas para uma grande parcela da população brasileira que tiveram suas vidas mudadas e buscaram em um novo negócio uma alternativa como fonte de renda. Para se ter ideia, o número de Microempreendedores Individuais (MEI) cresceu no país ao longo de 2020. De acordo com o Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, no fim do terceiro  quadrimestre de 2020 existiam 11 milhões MEIs ativos no Brasil. Em março deste ano, eles já respondiam por 56,7% do total de negócios em funcionamento no país.

É sempre pensando neste crescimento de empreendedorismo e negócios que, em 2009, a maior e mais bem-sucedida organização de networking de negócios do mundo, o Business Network International (BNI), chegou ao Brasil. Trazido ao país por Marcos R. Martins, CEO da BNI Brasil, e Mara Leme Martins, VP BNI Brasil, o BNI é uma organização visionária que  iniciou a economia colaborativa há mais de 36 anos, quando foi fundada por Ivan Misner. “Assim como nos mais de 80 países em que o BNI está presente, estamos mudando a forma como o Brasil faz negócios. Cada vez mais, os empresários estão aprendendo os benefícios da filosofia “Givers Gain”, ou seja, “se eu lhe ajudar indicando negócios, você vai se interessar em me ajudar também”. É a Lei da Reciprocidade em ação no mundo dos negócios”, explica Mara Martins.

O BNI é uma rede de relacionamentos mundial, com mais de 280 mil profissionais em mais de 80 países, nos mais diversos segmentos de negócios. No Brasil, já está presente em 13 estados. “Nós já somos 7,8 mil membros locais, além de 213 unidades (grupos) e 461 mil referências de membros nos últimos doze meses. Além disso, já estamos em processo de implementação em mais nove estados. A nossa visão é justamente em busca de construirmos um mundo onde a confiança colaborativa é a moeda mais valiosa nos negócios, nos relacionamentos e na vida. Buscamos mudar a forma como o mundo faz negócios através de reuniões semanais que promovem o apoio entre seus membros, gerando referências de negócios, trazendo valor com ética e qualidade”, completa a VP do BNI Brasil.

O crescimento na pandemia

Apesar da crise econômica pela qual passa o Brasil e o mundo, somente nos últimos 12 meses os empresários-membros do BNI geraram mais de R$ 1 bilhão em negócios fechados para suas empresas. “Isso tudo operando de maneira virtual e mostrando que é possível crescer de forma colaborativa e online. Um empresário buscando o sucesso do outro. Se todos pensam assim, todos ganham. O BNI acredita na Lei da Reciprocidade no mundo dos negócios, algo, à primeira vista, impensável em um ambiente empresarial tão competitivo, mas que vem ganhando espaço nas cidades brasileiras. Em 2021, no Brasil, vamos ultrapassar a marca de 8.500 empresários-membros do BNI”, explica Mara Martins.

Uma das soluções globais para a BNI dar continuidade às reuniões foi o lançamento do BNI Online, que aconteceu em fevereiro de 2020. “Para passar pelo período da pandemia da melhor forma, foi criada uma nova agenda para o BNI Online. Todas as reuniões passaram a ter slides padronizados, utilização de Enquetes, QR Codes e Salas Simultâneas para ajudar na conversão e engajamento de membros e convidados. Até o final de 2020, de acordo com o índice do NPS, que mede a satisfação do cliente, o BNI atingiu 98,75%”, diz Mara.

Além disso, o BNI Brasil continua se destacando, ficando entre os oito países com maior operação BNI no mundo em 2021. “O marketing de referência e indicações nunca foi tão importante quanto nos dias de hoje, onde as empresas precisam conquistar novos clientes, presencial ou remotamente, para não colocar em risco a sua operação. Não são poucos os casos de empresários que afirmam que ainda permanecem com suas empresas abertas durante esta pandemia, devido à sua participação na organização BNI, que lhes proporciona um fluxo contínuo de referências de novos negócios. Relatando que 20%, 30%, 50% e até 70% de seus novos clientes vem através de sua equipe BNI”, conclui a VP BNI Brasil.

Deixe uma resposta